domingo, 3 de julho de 2016

O efeito manada do cotidiano...

Estava em um churrasco dia desses e por estar dirigindo me recusei a ingerir álcool, erroneamente as pessoas que ali estavam entendiam que eu fazia esta escolha por medo de ser multado ou as sanções as quais tal fato me tornam apto, ocorre que isso é só uma consequência, o que me motiva a não misturar álcool e direção é a questão de conduta e caráter, saber que quando estou sob o efeito do álcool estarei alterado significativamente para dirigir e que o meu prazer pela ingestão do mesmo não pode ser prerrogativa para colocar outros em perigo, partindo então desse pressuposto que só introduz o que realmente pretendo descrever vamos ao tema de fato: Todos ali presentes pareciam de fato motivados a me persuadir a ingerir álcool, com diversas alegações, desde que não tinham blitz até de que um copo só não faria mal.
Não consigo entender duas coisas presentes nessa situação: A primeira é a falta de senso de dever cívico (iludido eu esperar isso) e a segunda é esse desejo enfadonho em me persuadir a fazer  algo única e simplesmente porque todos fazem. Acho que isso só reforça o conceito do efeito manada e do déficit cultural que vivemos no pais e que só me leva a crer que: pior do que fazer o errado é querer evangelizar mais um pro bonde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário